segunda-feira, 29 de setembro de 2014

OAB pede cassação da candidatura de Fidelix por declarações homofóbicas

Fonte: UOL Notícias

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) pediu ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) a cassação da candidatura de Levy Fidelix (PRTB) e direito de resposta às declarações homofóbicas ditas pelo candidato durante debate ocorrido na "TV Record" na noite deste domingo (29).

O deputado Renato Simões (PT-SP) também acionou o candidato. A primeira representação foi feita à Procuradoria Regional Eleitoral do Ministério Público Federal, instituição cujo procurador-geral, Rodrigo Janot, recentemente se pronunciou pela adoção do crime de discriminação previsto na legislação contra o racismo para embasar processos por homofobia.

Outra junto à comissão especial da lei 10.948, que pune a homofobia no Estado de São Paulo, de autoria do próprio Renato quando deputado estadual, que funciona junto à Secretaria de Justiça e Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo.

"Esperamos que a impunidade não alcance Fidelix, pois seu comportamento como candidato à Presidência da República não pode estimular o preconceito, a discriminação e a violência contra LGBTs em todo o país", disse o deputado.

Segundo ele, Fidelix incentivou uma reação da sociedade contra os LGBTs. Como a lei 10.948 é estadual, o candidato não será imputado criminalmente, mas poderá ter de pagar multa ou sofrer outras sanções.

O candidato do PV à presidência, Eduardo Jorge, também fez solicitação semelhante ao Ministério Público. A representação pede que se instaure inquérito/processo crime pelo desrespeito à dignidade humana e igualdade de direitos.

"Hoje cedo já mobilizei o Jurídico do Partido Verde e o PV Diversidade, na figura de André Pomba, e entramos hoje no Ministério Público, em São Paulo, com uma representação contra Levy Fidélix pelas declarações homofóbicas no debate de ontem. Para nós, mesmo sem essa legislação explicitamente aprovada no congresso, julgamos que cabe o processo por incitação à violência e preconceito. O Jurídico do PV também está estudando para amanhã uma ação no TSE".

Luciana Genro e o deputado federal Jean Wyllys, ambos do PSOL, também fizeram o mesmo pedido.

No Facebook, um grupo formado por mais de 6.100 pessoas está coletando dados pessoais para formalizar uma denúncia coletiva à Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos do governo federal.

E a coordenadoria de Políticas para a Diversidade Sexual da Secretaria de Justiça do Estado de São Paulo também vai representar contra Fidelix com base na lei estadual 10.948.

Além disso, diversos usuários de redes sociais têm denunciado o candidato no site do Ministério Público Federal por ferir o artigo 5º da Constituição Federal, inciso XLI, que diz que "a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais", especialmente por ter sido feito em uma emissora de televisão de concessão pública.

Estelionatário é preso por aplicar golpe do INSS em Campinas

Fonte: TVB Record

Limeira realiza ação preventina contra criminalidade

Fonte: TVB Record
 

Marcelo Tas conta como sua filha Luiza se tornou seu filho Luc

Pela primeira vez, o apresentador e colunista da CRESCER conta sobre essa mudança na sua família. E Luc revela como foi se descobrir bissexual aos 15 anos, transexual aos 22 e agora, aos 25, estar casado com Nicholas, também transexual e hoje um homem feliz em um relacionamento homossexual.

Fonte: Crescer


Estávamos finalizando a CRESCER de maio aqui na redação quando Tas, que é nosso colunista há quase cinco anos, nos pediu: "Por favor, vocês podem trocar o nome da Luiza por Luc no fim da minha coluna? Ele, agora, é oficialmente homem". A mudança foi feita imediatamente, mas resolvi também fazer um pedido a ele: quando achasse que era a hora certa, será que poderia nos dar uma entrevista, enquanto pai, contando como foi todo esse processo na família dele?


Tas respondeu que, no tempo apropriado, falaria. Os meses se passaram. No fim de agosto, a oportunidade surgiu. Luc, que é advogado e mora em Washington, nos Estados Unidos, viria ao Brasil a trabalho e ambos poderiam conversar conosco. De coração aberto, filho e pai falaram sem medo sobre as descobertas, as transformações, os desafios, a reação da família e o amor que permeia toda essa história. A seguir, um aperitivo das entrevistas cheias de cumplicidade e orgulho de cada um. O bate-papo na íntegra você confere na edição de outubro de CRESCER, que está nas bancas.

LUC ATHAYDE-RIZZARO
 

CRESCER: Você se assumiu aos 15 anos. Como foi esse processo de se descobrir e de contar aos outros?

LUC:
Com 15 anos eu contei aos meus pais que eu era bissexual, ou seja, falei para eles sobre a minha orientação sexual. O que ocorreu muito tempo depois, há mais ou menos três anos, foi eu falar para eles que eu também sou transexual (ou simplesmente “trans”), ou seja, que eu me identifico com um gênero diferente daquele que me designaram quando eu nasci (basicamente, os médicos falaram que eu era uma menina, e eles estavam errados). A orientação sexual de uma pessoa e a identidade de gênero são coisas totalmente distintas, e não possuem qualquer relação de causa e efeito. Assim, por exemplo, há pessoas cis (ou seja, pessoas que não são trans) que são heterossexuais, gays, bissexuais, etc., e há pessoas trans que são gays, bi, hétero, e por aí vai.


Respondendo à sua pergunta, ambos os processos pelos quais eu passei – seja sobre minha identidade enquanto pessoa trans seja enquanto bissexual – foram processos longos de autodescobrimento, e que no final eram sobre minha realização como pessoa, minha autonomia e minha felicidade. Eu (como muita gente, diga-se de passagem) não me encaixo nessa narrativa do “sempre soube”. Foi algo gradual, muitas vezes difícil de aceitar, especialmente sobre eu ser trans, mas que no final me fez uma pessoa muito mais completa.

E como foi a reação do seu pai, da sua mãe?
 
Olha, eu sou muito sortudo. A realidade é que minha família sempre me apoiou em tudo. Eu contei que era bi quando ainda era muito novo, e eles nem piscaram. Quanto a eu ser trans, acredito que foi um pouco mais difícil, tanto para mim como para eles. Muitos pais têm a impressão de que estão “perdendo” um filho ou uma filha quando eles falam que se identificam com um gênero diferente ou têm um nome diferente do que os pais deram. Acho que, em muitos casos, demora um pouco para se acostumar e para entender que a sua criança é a mesma, que nada mudou. Que ela só está mais feliz. No meu caso, para os meus pais, foi bem rápido até, mesmo eu estando longe. Hoje em dia eles sempre usam os pronomes certos para se referir a mim (ele/dele, etc.) e o meu nome (Luc). 
TAS
 

CRESCER: Que memórias você tem do Luc na infância?

TAS:
De uma criança divertida, de energia inesgotável e raciocínio rápido. Brinco de dizer que ficou assim porque foi gerado em Nova York, onde morei por dois anos com a mãe dele, a figurinista de TV e cinema Claudia Kopke, com direito a uma parada no Japão antes da gente voltar ao Brasil onde ele nasceu no ano seguinte, em fevereiro de 1989. Luc tem uma característica marcante: parece tímido mas depois que solta a língua encanta a todos em torno dele, vive cercado de gente, até hoje é assim.


Ao falarmos sobre esta entrevista, você disse que "na verdade, Luc sempre esteve lá como sempre o vi, o conheci e o amei incondicionalmente". Quando ele contou sobre as escolhas dele, você não foi pego de surpresa, então?
 
Uma novidade desse tamanho sempre é surpreendente. Antes de tudo, devemos admitir que independente da orientação – hetero, homo, trans, bi... – a sexualidade é um assunto que desafia e intriga os seres humanos desde que o mundo é mundo. Por outro lado, creio que eu faça parte talvez de uma primeira safra de pais que souberam acolher e tratar com mais naturalidade a questão de forma transparente. A minha geração participou ativamente da transição da ditadura para a democracia no Brasil, que também significava mais liberdade de comportamento. Antes disso, é importante lembrar, qualquer forma de orientação sexual fora do padrão aqui no Brasil era tratada com ignorância e violência. Na verdade, em muitos lugares do país ainda é.


Vale deixar claro também que a orientação sexual e a questão de gênero são assuntos absolutamente diferentes. Reconheço na atual geração um comportamento muito tranquilo e natural no que se refere a ambos os assuntos. Mesmo quando me sinto surpreendido por fatos novos demais para mim, procuro cuidar para nunca deixá-los virar um preconceito que me paralise. O desafio fundamental para pais, mães e filhos, independente do que aconteça ao longo da convivência, é o afeto e a sinceridade estarem em dia. Aí todo o resto se resolve.

Denúncia de tráfico termina com 2 presos em Hortolândia

Fonte: Todo Dia

Uma denúncia de tráfico terminou com dois presos, um deles por uso de documento falso, na Rua Orígenes Lessa, no Jardim Amanda, em Hortolândia, às 18h30 de anteontem. 
 
Policiais militares da Força Tática de Sumaré, receberam denúncia anônima que dois homens estavam em um bar no Jardim Amanda e receberam drogas de uma terceira pessoa que foi ao local com um veículo Gol. 
 
A droga seria destinada ao tráfico na região, segundo o denunciante. No local, os policiais encontraram rapazes com as mesmas características da denúncia. 
 
No momento da abordagem, o ajudante geral N.R.M.L., 25, entregou aos policiais uma carteira de habilitação em nome de W.G.O.. Mas os policiais descobriram que o documento era falso. 
 
O ajudante tentou fugir dos policiais e foi detido na casa da irmã dele, próxima ao bar. Ele confessou a falsidade do documento. Com o acusado não foram encontradas drogas. 
 
Os policiais também tinham informações de que na casa do segundo abordado, o operador de máquinas L.O.R., 29, na Rua das Acácias, no Jardim Boa Vista, poderiam estar escondidas drogas. No imóvel foram encontrados 118 tubetes plásticos e duas porções de cocaína, escondidos em uma cama no quarto do acusado. 
 
Ainda foram localizados na casa nove relógios de pulso, seis celulares, 63 comprimidos azuis de origem e natureza a ser apuradas, um caderno com manuscritos, saquinhos plásticos usados para embalar drogas e R$ 33.286,70. 
 
R. foi autuado por tráfico de drogas e L. por uso de documento falso. Os dois foram encaminhados à Cadeia Pública de Sumaré, no aguardo de vaga no CDP (Centro de Detenção Provisória) de Americana. 
 
Também foi apreendida a moto Honda CB 600F Hornet  que estava na via pública na posse de L., mas não estava em nome do mesmo. A moto foi encaminhada ao pátio até a comprovação da procedência.

PM usa rede social para ironizar morte de rapaz no Alemão, Rio

Corpo de Marcos Vinícius será sepultado nesta segunda-feira. Outro rapaz foi baleado nesta madrugada na comunidade.

Fonte: Globo Rio

A morte do adolescente Marcos Vinícius Heleno, de 17 anos, no Conjunto de Favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio, durante um confronto entre PMs e criminosos no sábado (27), foi comemorada por um policial militar. Enquanto várias pessoas lamentavam o ocorrido em uma rede social, o oficial escreveu: “Acorda diabo, carne fresca chegou. Kkkkkkkk”, postou Jeferson Baquer.

Em nota, a assessoria das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) confirmou que Jeferson é policial militar, mas não revelou o local de trabalho dele. Ainda segundo o setor de Comunicação, a conduta do PM foi relatada ao comando das UPPs. O corpo de Marcos Vinícius foi liberado no domingo (28) para a família e o enterro está marcado para o meio-dia desta segunda-feira (29) no cemitério de Inhaúma, no Subúrbio.

Na madrugada desta segunda-feira (29), outro jovem foi baleado na perna no interior da comunidade. Segundo a mãe do adolescente de 16 anos, ele estava em uma lan house na comunidade, quando começou o tiroteio. O menino foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Souza Aguiar, como mostrou o Bom Dia Rio.

Após a morte de Marcos, PMs e moradores da comunidade Vila Brasília se envolveram num tumulto no final da tarde de sábado. O tumulto aconteceu porque moradores queriam levar o jovem baleado para o hospital em um carro particular, mas os policiais militares que estavam no local interviram e mandaram esperar a chegada de uma ambulância. Devido a isso os moradores protestaram e os PMs reagiram com bombas de efeito moral.


A Polícia Civil instaurou um inquérito para apurar a morte do adolescente. Segundo a assessoria da corporação, às 17h20, os policiais militares envolvidos no tiroteio que causou a morte de Marcos estavam sendo ouvidos na 22° DP (Penha), onde o caso foi registrado.

As armas dos PMs e uma pistola 9mm, que segundo a UPP foi encontrada perto do local do confronto que matou o jovem, foram encaminhadas à perícia.


A morte do jovem aconteceu na localidade conhecida como Praça do Terço. Segundo a assessoria de imprensa das UPPs, pouco antes do encontro do corpo, agentes da unidade local e suspeitos de pertencerem ao tráfico de drogas da região trocaram tiros no local. Ainda segundo a polícia, a vítima estava perto do grupo de suspeitos. Ainda segundo a polícia, às 16h22, o corpo passava por perícia para tentar detectar se havia ou não vestígios de pólvora na mão do adolescente – indício de que ele teria atirado. 

De acordo com o jornal 'Voz da Comunidade', o tiroteio da tarde deste sábado foi intenso, e o funcionamento do teleférico chegou a ser interrompido.

 

Um motorista bêbado é preso a cada 44 horas na região

Dados revelam a falta de conscientização do motorista. Índice aumentou 5,5%

Fonte: Todo Dia

Em um ano, o número de motoristas presos por dirigirem embriagados aumentou 5,5% nas rodovias que cortam a RMC (Região Metropolitana de Campinas). De acordo com levantamento da PMR (Polícia Militar Rodoviária), entre janeiro e julho deste ano, 114 motoristas foram detidos por combinar direção e álcool. A média é de uma prisão a cada 44 horas. Em igual período de 2013, foram 108 autuações nessas rodovias. 
 
As estradas com o maior número de prisões neste ano são a Rodovia Anhanguera (SP-330), com 25 casos, e a Santos Dumont (SP-75), com 22, que respondem por 42% do total de ocorrências entre janeiro e julho. Na Anhanguera, apenas no trecho de Campinas, foram 16 flagrantes, mesmo número registrado na Santos Dumont, também no trecho de Campinas. 
 
"A polícia autua tanto motoristas que tomam um ou dois copos com algum tipo de álcool, e que não aparentam embriaguez, como aqueles que estão com sinais visíveis, como fala enrolada e andar cambaleante", explicou o soldado Siqueira, da base da PMR em Americana. Nesses casos, o suspeito é levado para a delegacia e depois submetido a exame de sangue. Se for confirmada a embriaguez, ele é autuado. 
 
Para José Luiz Fuzaro Rodrigues, especialista em segurança em rodovias, com graduação pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), é necessária fiscalização ostensiva nas estradas a fim de flagrar um número maior de infratores. "O que se sabe é o desrespeito do motorista com a Lei Seca", destacou. 
 
RIGIDEZ 
 
De acordo com Carlos Alberto Bandeira Guimarães, professor de engenharia civil do Departamento de Transporte e Geotecnia da Unicamp, mesmo após o endurecimento da Lei Seca, em 2012, a legislação no Brasil ainda precisa ser mais austera. 
 
"As penas deveriam ser como nos Estados Unidos para quem dirigir bêbado: se for pego embriagado, é preso. Não é como aqui que, na maioria dos casos, o motorista paga fiança e só tem a carteira apreendida", destacou. "Nos Estados Unidos, por exemplo, se o motorista atropelar alguém, o caso é tratado como doloso (com intenção), e não culposo (sem intenção), como vemos no Brasil", disse, ao defender mudanças na atual lei de trânsito. 
 
Segundo Guimarães, as campanhas educativas contra a combinação de álcool e direção são importantes, mas o que reduz os casos de embriaguez são fiscalização e punição. 
 
"Se aumenta a fiscalização, o resultado é imediato. No começo da nova Lei Seca houve intensificação do combate à embriaguez, que derrubou muito os indicadores de acidentes em estradas", lembrou. 
 
Segundo o Contran (Conselho Nacional de Trânsito), a lei prevê que o motorista seja autuado quando o bafômetro registrar 0,05 miligrama de álcool por litro de ar expirado. As penas são multa de R$ 1,9 mil, suspensão por 12 meses do direito de dirigir e de seis meses a três anos de detenção. 
 
LOCAIS 
 
Os casos ocorreram nas rodovias Doutor Governador Adhemar Pereira de Barros (SP-340), Bandeirantes (SP-348), Engenheiro Constâncio Cintra (SP-360), Paulínia-Sumaré (SP-110/330), Miguel Noel Nascentes Burnier (SP-135/065), Professor Zeferino Vaz (SP-332), SP-63, Anhanguera (SP-330), Dom Pedro I (SP-65), SP-73, Santos Dumont (SP-75), Amparo-Pedreira (SP-95), Francisco Aguirre Proença (SP-101), SP-107, Luiz de Queiroz (SP-304) e SP-324.

Levy associa homossexuais à pedofilia e prega enfrentamento a gays em Debate

Fonte: UOL Eleições / Foto: G1

Em debate realizado na noite deste domingo (28) pela TV Record, o candidato à Presidência Levy Fidelix (PRTB) associou a homossexualidade com pedofilia e afirmou que gays precisam de atendimento psicológico "bem longe daqui".

As declarações foram dadas após pergunta da candidata Luciana Genro (PSOL), que citou a violência a que a população LGBT é submetida e indagou Levy sobre os motivos pelos quais os que "defendem a família se recusam a reconhecer como família um casal do mesmo sexo."
"Aparelho excretor não reproduz (...) Como é que pode um pai de família, um avô ficar aqui escorado porque tem medo de perder voto? Prefiro não ter esses votos, mas ser um pai, um avô que tem vergonha na cara, que instrua seu filho, que instrua seu neto. Vamos acabar com essa historinha. Eu vi agora o santo padre, o papa, expurgar, fez muito bem, do Vaticano, um pedófilo. Está certo! Nós tratamos a vida toda com a religiosidade para que nossos filhos possam encontrar realmente um bom caminho familiar", afirmou.

Na réplica, Luciana defendeu o casamento igualitário como forma de reduzir a violência contra a população LGBT. Na tréplica, entretanto, Levy subiu o tom.

"Luciana, você já imaginou? O Brasil tem 200 milhões de habitantes, daqui a pouquinho vai reduzir para 100 [milhões]. Vai para a avenida Paulista, anda lá e vê. É feio o negócio, né? Então, gente, vamos ter coragem, nós somos maioria, vamos enfrentar essa minoria. Vamos enfrentá-los. Não tenha medo de dizer que sou pai, uma mãe, vovô, e o mais importante, é que esses que têm esses problemas realmente sejam atendidos no plano psicológico e afetivo, mas bem longe da gente, bem longe mesmo porque aqui não dá", disse.

Com evolução satisfatória, Muricy Ramalho recebe alta

Técnico do São Paulo estava internado após sentir uma taquicardia na quinta-feira (25).

Fonte: R7

O técnico Muricy Ramalho recebeu alta na manhã deste domingo (28). De acordo com informações do boletim médico, o treinador apresentou “uma evolução clínica satisfatória”.

Muricy estava internado desde a última quinta-feira (25) quando sentiu uma taquicardia durante os treinamentos do São Paulo. O comandante do Tricolor foi submetido a exames e levado para a UTI.

Muricy Ramalho "desfalcou" o Tricolor no duelo contra o Fluminense, na noite de sábado (27) e, provavelmente, ficará afastado por mais um tempo de suas atividades profissionais, apesar de não ter apresentado nunca um quadro de complicações cardiológicas antes do susto de quinta-feira.

Essa é a quarta "visita" de Muricy a um hospital, mas as anteriores foram por outros problemas de saúde: pedra nos rins, diverticulite e hérnia de disco.


Veja o boletim médico na íntegra:

"Boletim Médico

São Paulo, 28 de setembro de 2014 
O Hospital São Luiz Morumbi informa que o técnico do São Paulo Futebol Clube, Muricy Ramalho, cursou com uma evolução clínica satisfatória e recebeu alta hospitalar esta manhã.

Mulher espanta ladrão a tapas e evita furto de carro

Episódio aconteceu em Oldham, na grande Manchester, e foi registrado pelas câmeras de um estacionamento.

Fonte: Último Segundo

Um homem tenta levar o Audi Q3 quando a dona, Deb Smythe, se afasta dele para abrir o portão do estacionamento. Ela percebe a tentativa a tempo de voltar para tentar evitar o furto.

Por cerca de um minuto e meio, Deb empreende uma luta contra o criminoso. "O homem não teve nenhuma preocupação com ela: tentou dar uma ré, levando-a junto", descreveu o investigador Mark McDowall, da polícia da Grande Manchester.

Apesar disso, Deb saiu do episódio apenas com ferimentos leves. A polícia agora pede ao público informações sobre o ladrão. "Ela teve uma extrema sorte de não sair ferida mais gravemente. Felizmente está OK, mas saiu machucada", disse o policial.

 

Atrás de cordão policial, Sérvia conduz primeira Marcha Gay em 4 anos

Milhares de policiais de choque com carros blindados, canhões d’água, a cavalo e escudados isolaram as ruas.

Fonte: iGay

Ativistas dos direitos dos homossexuais na Sérvia realizaram a primeira Marcha do Orgulho Gay em quatro anos neste domingo, conduzida em Belgrado em meio a ruas esvaziadas de trânsito e pedestres, sob uma massiva operação de segurança.

Milhares de policiais de choque com carros blindados, canhões d’água, a cavalo e escudados isolaram as ruas, da sede do governo até o parlamento, que levavam ao local da breve marcha para evitar uma reencenação dos conflitos entre ultra-nacionalistas e torcedores de futebol que aconteceram em 2010.


As autoridades baniram a Marcha do Orgulho Gay pelos três anos seguintes, alegando motivos de segurança. A homofobia é generalizada na Sérvia e em outras sociedades conservadoras nos Bálcãs; o líder da Igreja Ortodoxa Sérvia comparou, na semana passada, a homossexualidade à pedofilia e ao incesto.

Entretanto, uma vez que a Sérvia tem negociado para se unir à União Européia, o bloco deixou claro que considera o Orgulho Gay como um teste decisivo do comprometimento do país em defender os direitos humanos universais.

Centenas de pessoas participaram, agitando bandeiras arco-íris e apitando enquanto helicópteros policiais sobrevoavam a cidade.

Vadivia falha, Palmeiras sofre "apagão" e leva 3 a 1 do Figueirense

Fonte: UOL Esporte

Em cinco minutos, o Palmeiras foi do céu ao inferno na noite deste domingo, no Orlando Scarpelli. O alviverde levava vantagem no placar diante do Figueirense no trecho final do jogo, mas levou dois gols de Clayton – aos 31 e 32 do segundo tempo - e outro de Marcão - aos 35 -. O "apagão" custou caro e com a derrota por 3 a 1 o time segue na zona de rebaixamento. Cristaldo fez o gol palmeirense no primeiro tempo.

O resultado também tem como culpado Valdivia. O gol que o chileno perdeu, ao sequer nem arriscar a finalização e fazer passe errado foi impressionante. Na ocasião, o alviverde vencia por 1 a 0. O Palmeiras fica na 17ª colocação, com 25 pontos. E o Figureirense vai ao décimo lugar, com 32.
 
Na próxima rodada, o Palmeiras encara a Chapecoense, quinta, às 19h30, no Pacaembu. Já o Figueirense enfrenta o Goiás, no Serra Dourada, sábado, às 18h30.
 
Fases do jogo:
 
Frio e chuva deixaram o começo do jogo extremamente lento. As equipes carregavam a bola sem enfrentarem grandes marcações e pouco conseguiam criar.
 
A medida que os espaços foram aparecendo, o problema passou a ser as limitações técnicas dos times. Foram muitos erros de passe que deixaram o nível da primeira etapa baixo.
 
Em um dos poucos lances de lucidez ofensiva, Diogo fez boa jogada pela esquerda e cruzou para trás. Henrique deixou passar e Cristaldo chutou de primeira para o fundo do gol aos 34 minutos.
 
O jogo mudou bastante no segundo tempo, com o Figueirense indo à frente e deixando muitos espaços para o Palmeiras.
 
A marcação forte palmeirense funcionou por boa parte da etapa. No entanto, os cinco minutos da virada do Figueirense foram um prêmio pela ousadia do time que se lançou todo ao ataque.
 
O melhor: Clayton – Como não elegê-lo como o melhor? Teve pouco mais de 30 minutos em campo e foi o responsável pela virada do Figueirense com dois gols.
O pior: Valdivia – Ajudou o time com diversos passes precisos em contra-ataques. Só que o gol que perdeu quando o jogo estava 1 a 0 foi incrível. Não se perde.
 
A chave do jogo: Apagão – O Figueirense teve incrível reação em apenas cinco minutos. Foi quando o Palmeiras se desligou completamente da partida que até então parecia dominada.
 
Toque dos técnicos: Argel prendeu o time, segurando laterais e sobrecarregando os meias com funções defensivas. Já Dorival Júnior não quis saber de retranca, e também foi corajoso nas substituições. Tudo mudou no segundo tempo, quando Argel lançou o time à frente colocando mais dois atacantes.     

Brasileiro adotado por holandeses sonha em conhecer o país

Fonte: Extra

O jovem Carlos Hogendorp, de 21 anos, está prestes a realizar um sonho. Ele virá ao Brasil em breve para conhecer a família biológica. O jovem foi adotado aos quatro anos de idade por uma família holandesa, e vive no país desde então, mas ele nunca abandonou a vontade de conhecer a família biológica.

Carlos e os irmãos Isabel Hogendorp, de 20 anos, e Jos Hogendorp, de 23 anos, nasceram no Leme, em São Paulo, e têm outros seis irmãos que moram no Brasil. Mas é Carlos que tem a maior vontade de conhecer a família brasileira. Quando a ex-mulher dele engravidou, há pouco mais de um ano, ele sentiu um desejo maior de reencontrar os familiares. Para isso, ele participou de um programa de TV na Holanda especializado em reencontrar famílias. A mãe participou do programa, e desde então ele mantém contato com uma irmã pela internet.

— Fico sem palavras. Só penso naquele momento que os vi através das câmeras e escutei suas vozes. As palavras dos meus dois irmãozinhos caçulas que diziam que tudo o que eles mais queriam era ter o nosso amor não saem da minha cabeça — disse.

Diretor de escola LGBT defende criminalização da Homofobia

Fonte: Todo Dia

Para o diretor Escola Jovem LGBT, Deco Ribeiro, a grande luta atualmente, depois da aprovação do casamento gay, é a criminalização da homofobia, pois assim os casos seriam registrados pelos termos. "O maior registro de mortes LGBT do País, até dois anos atrás, era feito por um militante, que anotava as mortes que ele via nos jornais em um caderninho. Hoje tem um blog que faz isso, mas o método não mudou muito." 
 
O antropólogo Luiz Mott, concorda com Ribeiro afirmando que o número de agressões a homossexuais são maiores que as notificações. "A subnotificação destes crimes é notória, indicando que tais números representam apenas a ponta de um iceberg de violência. A realidade deve certamente ultrapassar em muito qualquer estimativa." 
 
A psicóloga Bárbara Menezes, responsável pelos atendimentos no Centro de Referência aponta que os casos de agressão se configura principalmente dentro de casa. "Quando atendo famílias, escuto muito 'eu não tenho preconceito, tenho até um amigo gay, mas meu filho não'", afirma. 
 
Além disso, a profissional aponta que a violência física e psicológica em outros espaços sociais é problemática. 
 
A população transgênera sofre ainda mais, aponta Bárbara. "A pessoa trans sofre muito na violação de seus direitos. Tanto nas famílias, que não entendem, quanto no trabalho, onde são discriminadas por quem não reconhece a identidade de gênero e acabam usando o nome de registro", explica ela. 
 
CASAMENTO 
 
A luta pela igualdade de direitos para a população LGBT também caminha na cidade. Após a aprovação da lei que regulamentou o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, em dezembro de 2012, Campinas realizou, no dia 21 de março do ano passado, o primeiro casamento gay coletivo da cidade. De acordo com o Centro de Referência LGBT nenhum caso de divórcio foi registrado entre o grupo. | LP

domingo, 28 de setembro de 2014

Grupo pede legalização do aborto em ato na Avenida Paulista, em SP

 Protesto reuniu mais de 200 pessoas na tarde deste domingo (28).Segundo a PM, manifestação foi encerrada por volta das 16h. 

Fonte: Globo São Paulo

Um grupo de manifestantes protestou a favor da legalização do aborto na tarde deste domingo (28), na Avenida Paulista, no Centro de São Paulo. Segundo os organizadores, mais de 200 pessoas participam do ato que começou às 12h na Praça do Ciclista, e chegou a interditar a Avenida Paulista, no sentido Paraíso, na altura do Masp. O protesto foi encerrado por volta das 16h, de acordo com a Polícia Militar.

Organizado pela Marcha Mundial de Mulheres, o ato pede a descriminalização do aborto e lembrou as mulheres que morreram durante procedimentos clandestinos. Entre elas, Jandira Magdalena dos Santos, de 27 anos, que desapareceu depois de procurar uma clínica de aborto no Rio de Janeiro. Ela ficou sumida por quase um mês.

O corpo de Jandira foi enterrado neste domingo (28), no Cemitério de Ricardo de Albuquerque, em Ricardo de Alberque, Subúrbio do Rio.

Denominado “Cortejo da mulher morta em aborto clandestino”, segundo perfil do evento no Facebook, a marcha seguirá pela Avenida Paulista, passando por igrejas da região. "Nosso clima é de luto quando nossos direitos são moeda de troca. Portanto, pedimos que venham vestidas com uma roupa que represente luto”, diz o texto sobre o ato. A data – 28 de setembro – marca o dia de luta pela descriminalização do aborto na América Latina e no Caribe.




Nova Odessa terá curso de sustentabilidade hídrica

Fonte: Todo Dia

A Prefeitura de Nova Odessa, em parceria com o IAC (Instituto Agronômico de Campinas), a Câmara e a Coden (Companhia de Desenvolvimento), promove nos dias 16 e 17 de outubro, a oficina gratuita "Sustentabilidade Hídrica do Município - Produção de Água como Solução para a Escassez - Conceitos e Ações Sistemáticas Necessárias". 
 
A oficina será conduzida por um dos maiores especialistas em sustentabilidade hídrica do país, Rinaldo de Oliveira Calheiros, pesquisador científico do IAC. As inscrições podem ser feitas até o dia 14 de outubro pelo site da Prefeitura de Nova Odessa (www.novaodessa.sp.gov.br), preenchendo os formulários no link Sustentabilidade Hídrica. 
 
De acordo com Rinaldo, o Plano Municipal de Sustentabilidade Hídrica envolve os conceitos de autossuficiência (produzir a água que o município precisa) e segurança da água (proteger o manancial). Esses dois juntos formam o conceito e a condição de autossustentabilidade. 
 
"O problema da escassez de água, não tem sido devidamente enfrentado e é muito mais sério do que pode imaginar um cidadão comum. Muito se tem feito para resolver este problema, porém, muitíssimo ainda têm que ser realizado para se ter resultados modificadores significativos", afirmou Rinaldo. 
 
Entre os objetivos principais do curso está alicerçar conceitualmente e tecnicamente um programa para aumentar e regularizar a produção da água das nascentes e demais corpos d'água do município. Em consequência, o aumento da disponibilidade e qualidade de água, em busca da autossustentabilidade hídrica. 
 
PLANO 
 
Nova Odessa está implantando um plano municipal de segurança hídrica, que teve origem com ações do presidente da Câmara, Vagner Barilon (PSDB). Para isso, já foram sancionadas leis específicas. 
 
"Ampliamos a área de preservação ambiental no entorno das represas e córregos; criamos fundos específicos para estes recursos; estamos desassoreando nossas represas e vamos construir mais um reservatório. Trabalhamos a conscientização sobre a necessidade de uso racional da água e agora vamos trabalhar para recuperar nossas nascentes. Para garantir o abastecimento é preciso adotar uma série de medidas e estamos fazendo isso", afirmou o prefeito Benjamim Bill Vieira de Souza (PSDB).

Comentários negativos sobre união gay viram caso de polícia em Miraí MG

Casal registrou boletim de ocorrência e Polícia Civil investiga o caso. Casamento entre mulheres foi a primeira união gay da cidade.

Fonte: TV Integração

“Até onde vai o respeito ao próximo? O nosso direito de ir e vir?”, questionou a pedagoga Tatiani Arcanjo de Oliveira, de 33 anos, que registrou boletim de ocorrência motivada por comentários negativos em uma rede social após o compartilhamento de notícias sobre o casamento dela com a companheira Lumara Kery Rodrigues, de 22. Elas se casaram em Miraí, na Zona da Mata, sendo o primeiro casamento gay realizado na cidade.

A repercussão da união na rede social teve vários compartilhamentos de apoio, mas os negativos fizeram Tatiani procurar a Polícia Militar (PM) na quarta-feira (24). “Esse acontecimento foi triste, é muito ruim quando nos deparamos com pessoas que se acham no direito de julgar o próximo. Qualquer outra pessoa que sofra falta de respeito deve denunciar. O respeito ao próximo é o mínimo que esperamos da humanidade”, afirmou.

Uma das pessoas compartilhou uma notícia com a frase: “Vamos orar pra Deus guardar o futuro de nossa crianças”. “Eu quase não acreditei no que estava lendo. Li também algo que me deixou satisfeita: ‘não concordo, porém respeito’. Isso sim é uma opinião consciente. Não peço que nos aceitem, porém o respeito ao ser humano é a minha índole acima de tudo”, comentou.

O casal desconhece quem fez os comentários e representou na Polícia Civil contra cinco pessoas. Os envolvidos são das cidades de Muriaé e Juiz de Fora, na Zona da Mata, e do Rio de Janeiro, segundo Tatiani.

A assessoria da Polícia Civil informou que os suspeitos serão ouvidos por carta precatória, quando delegados de suas respectivas cidades colhem os depoimentos. O caso está sendo tratado como injúria. "Agora é esperar por justiça. Eu espero que essas pessoas aprendam de uma maneira nada bacana a respeitar o próximo e a vida alheia", disse Tatiani.

Militante há seis anos, Tatiani trabalha na Organização Gay de Muriaé, que busca promover a cidadania e a efetivação dos direitos da população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais da cidade. “Luto pela causa, defendo com unhas e dentes. Sou contra todo e qualquer tipo de preconceito. Não seria eu se não fizesse o boletim. Conhecemos muitas pessoas que não entendem nossa luta, que vêm com argumentos ainda mais preconceituosos. Isso nos mostra mais uma vez que a luta não pode acabar”, destacou.


 

Macaca vence e assume a ponta na série A2

Fonnte: Todo Dia

Avassaladora, criativa e ofensiva até o último minuto, a Ponte Preta venceu o Ceará por 3 a 1, em jogo realizado ontem à tarde no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. 
 
O resultado proporcionou como prêmio a chegada do time aos 49 pontos e a liderança da Série B do Campeonato Brasileiro, já que a Macaca ganha do Avaí nos critérios de desempate. 
 
O próximo desafio será na terça-feira, contra o Paraná, novamente em Campinas.
 
Um jogo nervoso, catimbado, cheio de faltas e com lances esporádicos de emoção. 
 
Toda a expectativa criada em torno do jogo virou realidade e a Ponte Preta não deixou de apresentar as suas credenciais: a movimentação de Thomás ao lado de João Paulo na esquerda, a aparição de Juninho como fator surpresa e a execução do trabalho de pivô por parte de Alexandro. 
 
A estratégia começou a dar resultado efetivo aos 13min, quando o lateral Rodinei acionou Alexandro, rápido no passe para Cafu, autor de chute forte, espalmado por Luis Carlos. 
 
A partir daí, a Ponte Preta intensificou a pressão na saída de bola e, aos 20min, Adrianinho teve liberdade para conduzir a bola e chutar no ângulo do goleiro. Golaço.
 
O revés dinamitou de vez o ânimo cearense e a Macaca não deixou escapar a brecha. 
 
Aos 27min, o lateral-esquerdo João Paulo foi à linha de fundo e o cruzamento foi interceptado por Wellington Carvalho, que jogou contra as próprias redes: 2 a 0. 
 
Sem pressa e tranquila no gramado, a Macaca não se intimidou com a entrada de Nikão no lugar de Amaral aos 34min. 
 
Quase chegou ao terceiro gol aos 45min, em passe de Rodinei para Alexandro, eficiente na assistência para Cafu, que explodiu no travessão. 
 
Veio o segundo tempo e logo aos 4min, Cafu foi derrubado dentro da área. Pênalti. 
 
Na cobrança de falta, João Paulo não teve perdão e venceu o goleiro Luis Carlos. 
 
Sem poder de reação e entregue, o Ceará ficou submetido à velocidade pontepretana que, aos 23min, quase fez o quarto. Adrianinho acionou Cafu, livre pela direita. Luis Carlos fez a defesa em dois lances. 
 
No final, a Macaca segurou o resultado e sofreu o gol aos 47min em cabeçada do zagueiro Sandro.

Mulher que morreu em clínica de aborto no Rio de Janeiro é enterrada

Em velório, pai de Jandira diz que queria ter protegido a filha.

Fonte: Globo Rio

Durante o velório de Jandira Magdalena dos Santos, que morreu após realizar um aborto numa clínica clandestina, o pai da jovem afirmou que foi avisado sobre a vontade da filha uma semana antes de sua morte. Segundo Samuel Cruz, de 50 anos, ele ainda teria se oferecido para levar a auxiliar administrativo até a clínica.

- Eu sou pai. Se minha filha decidiu por essa atitude, a única coisa que podia fazer é levá-la para proteger de algo pior. O que mais me revolta foi eles terem mutilado minha filha. Ela era uma pessoa incrível - lamentou o comerciante.

Jandira desapareceu, no último dia 26 de agosto, após realizar um aborto numa clínica clandestina na Zona Oeste do Rio. O corpo da jovem foi encontrado carbonizado, dentro de um carro, em um sítio em Pedra de Guaratiba, na Zona Oeste, com os braços e pernas cortados e sem a arcada dentária.

Dois suspeitos de participação no crime ainda são procurados. Um deles é Carlos Augusto
Graça de Oliveira, suspeito de ter atuado como médico na cirurgia de Jandira. Ele já foi preso duas vezes por exercer ilegalmente a medicina.

- Foi um período de muito sofrimento. Acredito que a polícia está fazendo um ótimo trabalho e vai conseguir prender esse falso médico - afirmou Samuel.

Segundo o pai da jovem, a polícia acredita que, além do médico, outras pessoas também possam integrar o grupo que realiza abortos em clínicas clandestinas.

Até o momento, estão presos — além de Vanuza Vais Baldacine, mulher que levou Jandira para a clínica — Rosemere Aparecida Ferreira, suspeita de liderar a quadrilha, Marcelo Eduardo Medeiros, dono da casa que servia como clínica, e Mônica Gomes Teixeira, esposa de Marcelo e recepcionista da clínica clandestina. Todos os integrantes do bando identificados pela polícia vão responder por homicídio qualificado, aborto de terceiros, ocultação de cadáver e formação de quadrilha.

Corpo foi enterrado em Ricardo de Albuquerque

Cerca de 50 pessoas, entre amigos e familiares, acompanharam o velório da jovem. O enterro aconteceu às 14h deste domingo, no Cemitério de Ricardo de Albuquerque, em Deodoro, na Zona Norte do Rio. Antes, um pastor da igreja evangélica falou sobre os perigos do aborto em uma cerimônia que durou cerca de uma hora.

Uma equipe da BBC de Londres veio até o Brasil para acompanhar o enterro da jovem. O grupo irá fazer uma reportagem mostrando como é a situação da mulher brasileira que precisa enfrentar o aborto ilegal, em clínicas clandestinas, e a visão do país sobre isso. Na Inglaterra, o aborto é permitido até a 24ª semana por razões sociais, médicas ou econômicas e após a 24ª semana em casos de risco de vida e de doença para a mãe e o feto.

- Ela era uma irmã para mim. Fiz essa camisa para mostrar todo o meu amor por ela e guardo comigo um verso de uma música evangélica que diz "VOU TE LEVAR COMIGO PARA ONDE QUER QUE EU VÁ". Vou levá-la em meu coração - lamentou a amiga Alessandra Amaral.

Fotos de diversos momentos felizes da jovem com a família foram coladas nas paredes da capela onde o corpo foi velado.

- Ninguém tem o direito de julgar o que minha irmã fez. Ela já pagou com a própria vida. Agora o que a nossa família deseja é que as pessoas que fizeram isso com ela paguem em vida. Que se acertem com a Justiça - afirmou a irmã da jovem, Joyce dos Santos.

A mãe da jovem, Maria Ângela dos Santos, e seu ex-marido, Leandro Brito Reis, não tiveram condições de comparecer à cerimônia. Após o velório, um pastor da igreja evangélica irá realizar um culto em homenagem à jovem.

- Nossa família está muito triste com a situação. E queremos dizer para a sociedade que, por sermos evangélicos, sempre condenamos a vontade dela de querer abortar. A todo momento tentávamos conversar com ela para apoiá-la a ter o filho, mas infelizmente essa tragédia aconteceu - contou o cunhado, Jairo da Silva, de 38 anos.

Campinas registra alta em agressões a homossexuais

Fonte: Todo Dia

O preconceito é enfrentado diariamente por lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis em Campinas. O Centro de Referência LGBT da cidade registrou em 2013, 278 casos de atendimento sobre agressões, enquanto em 2012 foram 243 (alta de 14,4%). Desde a abertura da unidade, em 2003, até maio deste ano, ocorreram 18.346 atendimentos que vão de acompanhamento psicológico para a população LGBT, até a orientação jurídica em casos de denúncias contra homofobia e transfobia.
 
A entidade desenvolve ainda um mapa de atendimentos sobre violência a essa parcela da população. Os dados devem ser divulgados a partir de novembro.
 
Entre os casos de agredidos que procuraram seus direitos estão Priscilla Drag, 35, e do professor Marcus Leme, 49. No caso de Priscilla, ela e o companheiro foram abordados pelos seguranças de uma antiga casa noturna da cidade, que exigiram a saída. "Estávamos apenas de mãos dadas e em um setor privado. Mas esse não foi o grande problema, mas sim o fato do gerente ter me chamado de viadinho".
 
Priscilla entrou com processo judicial contra a casa noturna e ganhou a causa. Atualmente ela trabalha com palestras motivacionais em empresas e em show particulares. "Nas palestras abordamos os temas que as empresas querem trabalhar, mas o homossexualismo e o respeito a classe dentro do trabalho está sempre implícito nas palestras."
 
O professor Marcus Leme foi agredido em 2008 por um grupo de adolescentes depois que saiu de um bar com mais dois amigos. "Quando voltávamos passamos pelo grupo, eles mexeram com a gente, seguimos e em seguida fomos agredidos. O medo que ficou foi pela minha vida e dos meus amigos".
 
Leme lembra com pesar sobre o fato, que também acabou em processo, com o grupo de adolescentes sendo obrigados a prestar trabalhos voluntários.
 
ADOÇÃO
 
Mas o professor também comemora grandes vitórias, como a autorização de adoção de um menino por ele e seu marido, o também professor Paulo Reis, 57.
 
O casal conquistou na Justiça o direito de ter o nome dos dois na certidão do menino. "A primeira resposta que tivemos foi que não seria possível, mas depois lutamos pelos nossos direitos e depois de um ano nosso filho entrou em casa", afirma Reis.
 
O casal afirma que na hora do registro o cartório informou ter sido o primeiro caso de um casal homoafetivo com o nome dos dois no documento. "Nosso filho só nos trouxe alegrias. Ele frequenta a escola, o nosso prédio e nunca teve problemas de nenhum tipo de agressão ou qualquer outra coisa. Esperamos que isso perdure pelo resto de nossa vidas", afirma Leme.

Homem é detido por injúria racial a jogador de futsal em Blumenau

Senhor é torcedor do Blumenau e xingou atleta do Guarapuava. Ofensa teria ocorrido em partida na noite deste sábado (27). 

Fonte: RBS TV

Um senhor foi detido na noite de sábado (27) acusado de injúria racial contra um jogador de futsal durante partida em Blumenau, na região do Vale do Itajaí. Segundo a Polícia Civil, o homem é torcedor do Blumenau/SCF e xingou o atleta do Guarapuava, time do Paraná. O jogo era disputado pela Liga Fustal no ginásio AD Hering. Ele foi liberado após pagamento de fiança.

O homem foi punido por ter falado, de acordo com os depoimentos prestados à Polícia Civil, 'idiota, só podia ser negão' para o jogador. Segundo informações do delegado Bruno Effori, no início do jogo, por volta das 20h, o jogador estaria cobrando uma lateral quando foi insultado. Outros torcedores e jogadores ouviram o xingamento, que foi registrado na súmula do jogo.

Após o término da partida, às 21h, o árbitro acionou a Polícia Militar para encaminhar o senhor para a Central de Plantão Polícial de Blumenau. Ele alegou ter xingado o jogador somente de 'idiota'. Com o depoimento dos jogadores e outros torcedores, foi sentenciado o crime de injúria racial. Apesar da sentença poder ocasionar de 1 a 3 anos de prisão, a acusação foi revertido em pagamento de fiança de um salário mínimo.

 

domingo, 21 de setembro de 2014

"Praia do Futuro" ganha prêmio gay em festival na Espanha 6

Fonte: UOL Entretenimento

O diretor pernambucano Karim Aïnouz recebeu no sábado (20) o prêmio Sebastiane Latino por seu filme "Praia do futuro", no Festival de Cinema de San Sebastián, na Espanha.


O prêmio foi criado pela associação de gays, lésbicas, transexuais e bissexuais do País Basco (Gehitu). Ainouz se mostrou emocionado ao receber a condecoração e disse que isto ajudará a divulgar seu filme fora do Brasil.


O prêmio foi entregue pouco antes da projeção do filme, que marcou o início da seção "Horizontes Latinos" do festival. 


A organização do País Basco criou o prêmio no ano passado para reconhecer os filmes latino-americanos que defendem as reivindicações e valores de gays, lésbicas, transexuais e bissexuais.


Em declarações à Agência Efe, Karim reconheceu que "não esperava" o prêmio e elogiou o fato dele ser concedido por uma organização como a Gehitu, pois isso "revela que o filme pode ter impacto em uma cidade forte culturalmente, como San Sebastián".


Além da temática, "Praia do futuro" foi premiado por sua "qualidade" cinematográfica, que Gehitu definiu como "um poema visual sobre a coragem necessária para aceitar os próprios medos e desejos".


Representante no Oscar
 
Com Wagner Moura protagonizando uma história de um relacionamento gay, "Praia do Futuro" estava entre os selecionados para concorrer à vaga de representante brasileiro no Oscar. Bem cotado, o longa acabou ficando de lado. Quem vai representar o Brasil entre os pré-indicados ao Oscar de melhor filme estrangeiro é outra produção com tema semelhante ao filme de Karim, "Hoje eu Não Quero Voltar Sozinho".

Longa de estreia de Daniel Ribeiro, o filme relata a história de um adolescente cego que se descobre homossexual. 


"Quando se tem três filmes com esse tema [LGBT], não dá para virar as costas", disse o cineasta Jefferson De, um dos membros da comissão que escolheu o filme, sobre "Hoje eu Quero Voltar Sozinho", "Praia do Futuro" e "Tatuagem". "É nosso recado pra Academia: o Brasil também é isso", disse.